FETAPE - FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES RURAIS AGRICULTORES E AGRICULTORAS FAMILIARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

Notícias


NOTA: Entidades do Agronegócio distorcem fala de Lula ao Jornal Nacional

31/08/2022



A Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (CONTAG), ciente de sua responsabilidade política enquanto representante sindical da agricultura familiar brasileira e de seu papel histórico de representação em defesa da democracia, dos direitos, da justiça social e do desenvolvimento sustentável e solidário, vem a público informar a sociedade brasileira e esclarecer afirmações que algumas entidades do agronegócio estão apresentando por meio de notas, e de forma distorcida quanto ao conteúdo da entrevista de Luiz Inácio Lula da Silva ao Jornal Nacional.

O candidato falou que parte do agronegócio está comprometido com as políticas de desmatamento e queimadas, armamento da população e com a política de disseminação do ódio. Não generalizou. Ao contrário, foi bastante enfático ao sugerir até que seria possível a convivência da agricultura familiar e o agronegócio (latifúndio) e cada um sendo importante para o País, tendo a agricultura familiar e camponesa a responsabilidade de produzir alimentos saudáveis e sustentáveis e garantir a soberania e a segurança alimentar e nutricional do povo brasileiro, e o agronegócio em produzir commodities (mercadorias). Uma das diretrizes do Programa de Reconstrução do Brasil apresentado pela chapa Lula/Alckmin afirma isto:

“A produção agrícola e pecuária é decisiva para a segurança alimentar e para a economia brasileira, sendo um setor estratégico para a nossa balança comercial. Precisamos avançar rumo a uma agricultura e uma pecuária comprometidas com a sustentabilidade ambiental e social. Sem isso, perderemos espaço no mercado externo e não contribuiremos para superar a fome e o acesso a alimentos saudáveis dentro e fora das nossas fronteiras. Ademais, é imprescindível agregar valor à produção agrícola, com a constituição de uma agroindústria de primeira linha, de alta competitividade mundial”.

Utilizando-se do ensejo, essas entidades, dizendo-se que o mesmo desconhece o setor, acabam por apresentar informações inverídicas sobre a questão ambiental e a produção agrícola no Brasil. Soja e milho não são produzidos para alimentar o Brasil nem o mundo. O mesmo vale para o gado. É extremamente contraditório comemorar recordes de produção de grãos para exportação quando o País tem mais de 33 milhões de pessoas passando fome e metade da população vive restrição alimentar. O cidadão e a cidadã brasileiros estão sofrendo com os preços dos alimentos, principalmente da carne.

Uma das notas diz que “não há símbolo maior de paz, democracia e relevância do que ‘produzir alimento’ para a população mundial”. E segue dizendo que o “agronegócio é um só. Somos unidos e seguimos um mesmo ideal. O pequeno e o grande produtor têm o mesmo valor”. Só se esqueceu de dizer que não têm a mesma quantidade de terras e a mesma quantidade de recursos para financiamento da produção, pois a agricultura familiar ocupa apenas 23% das terras e, com elas, produz a maioria do feijão, da mandioca, do milho, do leite, dos suínos, caprinos e ovinos, aves, café, trigo, arroz, frutas e hortaliças.

Também as notas, e dois candidatos à Presidência da República, dizem que o agronegócio brasileiro é o “mais sustentável do mundo”. Basta olhar os indicadores de clima, desigualdade, desmatamento e utilização de agrotóxicos – alguns inclusive proibidos na Europa e nos EUA. Os dados da Global Forests mostram que o Brasil é o campeão mundial de desmatamento tropical. Em 2021 respondeu por quase 50% da perda vegetal primária do mundo. O garimpo ilegal e as queimadas estão gerando mais poluição e violência no campo. Nosso País amarga uma péssima imagem no mundo em razão desta e de outras práticas danosas aos povos, ao meio ambiente, à saúde e à economia.

Os dados mencionados pelas notas são da agricultura familiar, e não do agronegócio. Segundo dados do relatório da ONU, em 2018, sobre o estado da segurança alimentar e nutricional do mundo, é a agricultura familiar, camponesa e indígena que produz cerca de 80% dos alimentos consumidos no planeta e preserva 75% dos seus recursos agrícolas. Na América Latina e Caribe, somente as mulheres rurais produzem 45% do que a sociedade consome.

A agricultura familiar brasileira, com apenas 23% das terras, gera 10,1 milhões de ocupações no campo, responde por 23% do valor da produção agropecuária e é responsável pela dinamização econômica de 90% dos municípios brasileiros com até 20 mil habitantes (68% do total), segundo o IBGE. Isso a coloca como a oitava maior produtora de alimentos do mundo, segundo dados de 2018 do Banco Mundial e Mapa.

O mundo está buscando o equilíbrio na matriz de produção de alimentos que esteja ancorada na sustentabilidade social, econômica e ambiental. É preciso recolocar o tema da reforma agrária na agenda estratégica nacional e recuperar a imagem do Brasil neste aspecto com ações efetivas e voltar a liderar as propostas para a preservação ambiental e combate à fome e à miséria, inclusive retirando-o novamente do mapa da fome para o qual vergonhosamente voltamos.

 

Diretoria da CONTAG

Diretoria da FETAPE

FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES RURAIS AGRICULTORES E AGRICULTORAS FAMILIARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

ENDEREÇO
Rua Gervásio Pires, 876 - Boa Vista - Recife/PE - CEP: 50050-070
Telefone: (81) 3771-0317 | E-mail: [email protected]

Este website utiliza cookies

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência, otimizar as funcionalidades do site e obter estatísticas de visita.
Saiba mais.